No 1º de abril, veja o que é FATO em meio à pandemia do coronavírus

Boatos têm bombado na web, mas informações verdadeiras também ganham destaque nas redes sociais.
França é um dos países com mais casos — Foto: Loic Venance/AFP


Tube News, via G1*
01/04/2020  11h26m
Neste 1º de abril, o que se espera é que ainda mais boatos sobre a pandemia do novo coronavírus inundem as redes sociais.

Mas nem tudo o que circula é mentira. A equipe do Fato ou Fake reúne algumas mensagens que são, sim, verdadeiras, mesmo com toda essa desinformação na web.

É #FATO que hospital usou empilhadeira e caminhão para armazenar corpos de vítimas do coronavírus nos EUA
Tem viralizado nos últimos dias no Twitter um vídeo que mostra corpos de vítimas do novo coronavírus sendo carregados em uma empilhadeira para dentro de um caminhão. É possível ouvir ao fundo a voz do homem que gravou as imagens. Muito emocionado, ele alerta sobre a gravidade da pandemia, pedindo que as pessoas levem as recomendações a sério e fiquem em casa. É #FATO.

O caso ocorreu em frente ao Brooklyn Hospital Center, em Nova York. Publicado pelo perfil NYC Scanner e retuitado pelo vereador republicano Joe Borelli, o vídeo teve mais de 5 milhões de visualizações.

Em seu site oficial, nesta terça-feira (31), o Brooklyn Hospital Center confirma que tem usado um caminhão refrigerado como "necrotério auxiliar". De acordo com a instituição, a medida é necessária para lidar com o pico no número de mortes e a consequente sobrecarga do sistema.
Corpos empilhados sendo levados para caminhão no Brooklyn — Foto: Reprodução/Twitter

Confira a nota na íntegra:
"Esta crise sem precedentes [de Covid-19] exige medidas extraordinárias e transparência absoluta. Seguindo os protocolos estabelecidos pelas autoridades de saúde pública, o Brooklyn Hospital Center recebeu, do Departamento de Gerenciamento de Emergências da Cidade de Nova York, um caminhão refrigerado (estacionado agora no Ashland Place) para servir como necrotério auxiliar. Isso é necessário para absorver o trágico pico de mortes, que sobrecarrega todo o sistema de cuidado — desde hospitais a funerárias. Famílias enlutadas não conseguem resolver os trâmites rapidamente, e seus entes queridos que faleceram estão permanecendo mais tempo nos hospitais, daí a necessidade deste tipo de acomodação. Nós solicitamos a nossa comunidade que seja respeitosa durante este período, enquanto permanecemos — mais do que nunca — comprometidos em manter o Brooklyn saudável", diz o comunicado.

Segundo a voz no fundo do vídeo, as imagens foram gravadas às 10h40 de um sábado, provavelmente o último (28). Na última quinta (26), os EUA já tinham ultrapassado Itália, China e Espanha em número de casos confirmados, tornando-se o novo epicentro da pandemia.
Um membro do Centro de Operações de Emergência em Saúde (CODES) mostra um mapa do Panamá com os locais dos centros de atendimento em todo o país para pacientes com o coronavírus Covid-19, na Cidade do Panamá em 30 de março — Foto: Luis Acosta/AFP

É #FATO que Panamá criou rodízio entre homens e mulheres para diminuir a circulação de pessoas
A medida pouco convencional viralizou na web. Alguns encararam como piada, mas é verdade. O governo do Panamá instituiu um rodízio entre homens e mulheres como resposta à pandemia de coronavírus. O decreto foi publicado na segunda (30) e separa os dias da semana em que cada grupo pode circular. O G1 noticiou o fato. É #FATO.

Mulheres poderão sair às ruas às segundas, quartas e sextas. Já os homens terão permissão para circular às terças, quintas e sábados. Aos domingos, todos terão que ficar em casa.

Em nota, o governo panamenho diz que a medida foi tomada porque os cidadãos do país seguem com suas atividades apesar da quarentena obrigatória instaurada na semana passada. A restrição de circulação começa a contar a partir desta terça (1).

Especialista em softwares para a área da saúde, Domingos Alves, pesquisador do Departamento de Medicina Social da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, diz, porém, que o rodízio não faz sentido diante das evidências científicas até o momento. Todos devem ficar em casa, homens e mulheres, afirma.

“Todas as evidências em todos os países mostram que o melhor é não deixar as pessoas irem para a rua, para não sobrecarregar o serviço de saúde. O isolamento tem que ser cada vez mais radicalizado, como se viu na China, na Coreia, na Alemanha. A relativização do isolamento fez estragos na Itália, em Portugal, na Espanha e nos Estados Unidos”, aponta. “Se o homem sai nuns dias, e a mulher, noutros, os dois podem ter contato com alguém infectado e levar o vírus para dentro de casa.”

É #FATO que adolescente de 16 anos morreu em decorrência da Covid-19 na França
A notícia de que uma adolescente de 16 anos morreu em decorrência do novo coronavírus bombou nas redes. Como a maior parte das vítimas da doença é mais velha, o caso foi visto com desconfiança nas redes. Mas é verdade. É #FATO.

Identificada como Julie, a menina foi a vítima mais jovem da pandemia do novo vírus, que, em três meses, já matou mais de 41 mil pessoas pelo mundo, especialmente na Europa. Como o vírus tem vitimado principalmente idosos, a notícia da morte de Julie foi recebida com incredulidade. Ainda mais pelo fato de a garota, que vivia com a família num subúrbio de Paris, Longjumeau, ser saudável.

O óbito foi confirmado na semana passada pelo diretor-geral de Saúde da França, Jérôme Salomon. Sob o choque da perda súbita da filha, a mãe de Julie deu entrevista para a agência de notícias francesa AFP, e disse que o quadro começou leve, com uma tosse, e evoluiu rapidamente.

Ela tentou tratar em casa, com xaropes e inalações, mas a filha passou a sentir falta de ar, e foi hospitalizada. A família chegou a receber resultados negativos de testes de coronavírus, mas a infecção da menina acabou confirmada. Julie precisou ser entubada e, em poucos dias, estava morta.

A França é o sexto país na lista dos mais afetados pelo novo vírus, seguido dos Estados Unidos, Itália, Espanha, China e Alemanha. Os infectados passaram de 52 mil, e os óbitos chegaram nesta terça-feira a 3.523. O país registrou o pico de óbitos: 499 pessoas morreram nas últimas 24 horas.

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde, a letalidade do novo vírus na faixa etária de Julie tem média muito baixa: 0,2%. O maior risco é para os idosos. As comorbidades, como doenças cardiovasculares, diabetes, doenças respiratórias crônicas, hipertensão e câncer também tornam a pessoa mais vulnerável.

É #FATO que há medidas e recomendações por risco de transmissão pelo dinheiroApesar de não haver ainda estudos conclusivos sobre a persistência do coronavírus em cédulas de dinheiro, autoridades de saúde têm recomendado sempre lavar as mãos após manusear notas e bancos na China passaram a desinfectar as notas. É #FATO.

O virologista Rômulo Neris, da UFRJ, diz que não há ainda dados sobre a persistência do vírus nas notas, mas ressalta que é fundamental lavar as mãos após seu manuseio.

"Existe controvérsia se as cédulas de dinheiro podem transmitir o coronavírus ou não. Entretanto, é certo que como as notas passam de mão em mão, após o manuseio, é importante a lavagem das mãos com água e sabão ou higienização com álcool gel 70%", diz o infectologista Leonardo Weissmann, da Sociedade Brasileira de Infectologia.

O Ministério da Saúde explica que a doença pode ser transmitida de pessoa para pessoa através de pequenas gotículas do nariz ou da boca que se espalham quando uma pessoa com Covid-19 tosse ou espirra. Essas gotículas, segundo o ministério, pousam em objetos e superfícies próximas e podem infectar outras pessoas que, após tocar essas mesmas superfícies, tocam os olhos, nariz ou boca. Por isso, o órgão diz que existe a possibilidade de transmissão pelo dinheiro e reforça o alerta para as medidas de higiene.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) diz em sua seção de perguntas e respostas que estudos sugerem que os coronavírus (incluindo informações preliminares sobre a Covid-19) podem persistir nas superfícies por algumas horas ou até vários dias. Isso pode variar sob diferentes condições (por exemplo, tipo de superfície, temperatura ou umidade do ambiente). Por isso, a entidade também diz que é importante lavar as mãos com água e sabão, passar álcool e evite tocar olhos, boca ou nariz.

Na China, o Banco Popular impôs uma quarentena às notas, ao não permitir a transferência de cédulas em uso entre províncias. Além disso, as agências ao redor do país passaram a desinfectar as notas.

Antes de a doença se espalhar nos EUA, o Federal Reserve também aumentou o período de quarentena dos dólares provenientes da Ásia como "precaução".


*Por Roney Domingos, Roberta Pennafort e Hellen Guimarães, G1, CBN e O Globo

Postar um comentário

0 Comentários