Google Earth ajudou a localizar corpo de homem desaparecido há 22 anos

O mistério só começou a ser resolvido em 28 de agosto deste ano, quando um ex-morador do bairro de Grand Isles, em Wellington, Flórida, observava a região no Google Earth.
(Foto: reprodução/Google Earth)
Tube News, via Tecnoblog e BBC
13/09/2019  16h23m
Observando as imagens do serviço, um usuário identificou um carro no fundo de um lago e, sem querer, acabou desvendando o caso de um homem que desapareceu há 22 anos.

Veja no Google Earth:

William Earl Moldt, então com 40 anos, foi dado como desaparecido em 7 de novembro de 1997. Ele havia ido para uma boate em Lantana, Flórida. Por volta das 21:30, ele ligou para a namorada dizendo que estaria em casa em breve. Depois disso, não se teve mais notícias dele.

O mistério só começou a ser resolvido em 28 de agosto deste ano, quando um ex-morador do bairro de Grand Isles, em Wellington, Flórida, observava a região no Google Earth. Ao se aproximar de um lago perto de sua antiga residência, ele notou o que parecia ser um carro imerso na água.

Intrigado, o homem enviou as imagens à ex-companheira, que ainda mora no local. Por sua vez, ela encaminhou as imagens ao vizinho Barry Fay, cuja casa fica bem atrás do ponto do lago em que o carro estava localizado.

Ao chegar em casa, Fay foi até a água, mas não conseguiu enxergar nada ali. Então ele teve a ideia de pedir a outro vizinho que sobrevoasse a área com um drone. Bingo! À distância, a câmera do equipamento conseguiu identificar o carro mergulhado no lago.

A polícia local foi avisada e apareceu por lá no mesmo dia. Após o carro ter sido retirado da água, a surpresa: a ossada de uma pessoa foi encontrada dentro do veículo. Após duas semanas de investigação, as autoridades concluíram que os restos mortais eram de William Earl Moldt.

Não ficaram claras as circunstâncias que fizeram o carro de Moldt cair na água. Aparentemente, foi um acidente. Na época, o complexo habitacional da região ainda estava em construção.


Como Moldt havia bebido, era de noite e não havia barreiras (como árvores) que pudessem segurar o carro, é possível que ele não tenha conseguido dobrar a esquina próxima daquele ponto e avançou sobre o lago.

Aparentemente, uma mudança no nível da água fez com que apenas recentemente fosse possível identificar o carro do alto, ainda assim, só de uma altura considerável.

Repare nestas imagens do histórico do Google Earth. O registro de fevereiro de 2016 não indica a existência do carro. Os sinais do veículos só aparecem no registro seguinte, datado de março de 2017. Note que, neste, o nível da água está mais baixo:
Foto de fevereiro de 2016

Foto de 2017, com o nível da água mais baixo.
A polícia diz que, na época do desaparecimento, as investigações não encontraram pistas que pudessem indicar que o veículo de Moldt havia caído na água.

Postar um comentário

0 Comentários