Crítica | The Handmaid's Tale S03E08 - "Unfit"

Atenção! Este conteúdo contém SPOILERS do oitavo episódio, S03E08 – "Unfit", da terceira temporada de The Handmaid's Tale.
(Foto: HULU)
Tube News, via Handmaid's Brasil
14/07/2019  11h28m
O encerramento do episódio da semana passada deixou os espectadores com sentimentos ainda mais contraditórios sobre June - ela é ousada? Imprudente? Até mesmo sociopata? - mas a decisão de Ofmatthew de causar a execução de Martha por ajudar a unir June e Hannah parecia bastante imperdoável. E, como "Unfit" começa, a maioria das companheiras de June evidentemente concordam. Elas a esnobam na cerimônia de nascimento de Ofandy, que está lutando contra as contrações, e depois pioram muito: empurram-a e cospem em sua água. Sentindo a tensão, tia Lydia ordena um encontro das aias.

Ela obriga o grupo a apontar para June, enquanto estão sentadas em volta dela, e lhe dizer que a morte de Martha foi sua culpa. June admite, mas cinicamente, sem sentimentos reais. Então ela coloca Ofmatthew no jogo, revelando o que disse para June: Que ela não tinha certeza se queria seu bebê. "Eu só me senti assim por um segundo", protesta Ofmatthew, mas a atenção de Lydia foi suficientemente capturada. Ela faz com que Ofmatthew troque de lugar com June e força a culpa ser colocada sobre ela. Claro, Ofmatthew não lida muito bem com essa agressão psicológica, especialmente porque está no meio de uma gravidez em conflito. Ela chora. Lydia repreende "Não seja um bebê chorão". Todas as aias a chamam de chorona em uníssono.

Tínhamos vislumbres de todos desde June até Serena e Moira em suas vidas pré-Gilead, mas nunca de Lydia. Aqui, isso finalmente muda! Uma boa parte de "Unfit" acontece em uma linha temporal mais antiga, onde encontramos Lydia como uma professora e, obviamente, religiosa devota. Ela está cuidando de um menino cuja mãe não apareceu para buscá-lo da aula. Ela se oferece para levá-lo para casa quando a mãe dele - desajeitada - finalmente chega. Ainda assim, Lydia cumpre a oferta: ambas vêm para casa jantar.

Finalmente vemos como Lydia vive. Ela está sozinha, aludindo a um casamento insalubre passado, e um pouco solitária. Ela imediatamente leva um gosto pelo menino, assim como pela mãe, que está lutando contra a falta de dinheiro. Mas o relacionamento se aprofunda rapidamente. Logo elas estão passando o Natal juntas, trocando presentes e rindo como uma família. Está claro que Lydia está perdendo parte da conexão. Ela assumiu um papel de zeladora, não totalmente diferente de seu papel pós-Gilead. De fato, na época do Natal, ela recebeu um novo nome do menino e de sua mãe: "Tia Lydia".

No Natal, a mãe do menino compra um kit de maquiagem para Lydia e a incentiva a "sair um pouquinho". Lydia está relutante, mas de má vontade decide ir - e a próxima coisa que sabemos é que ela está em um encontro com o diretor de sua escola (interpretado por John Ortiz). É claro, pela conversa deles, que a vida está se aproximando de Gilead: todas as escolas são privatizadas (Lydia está animada!) E as expectativas religiosas são muito mais profundas.

Os dois imediatamente se deram bem, enquanto Lydia lentamente sai de sua concha; É claro que eles gostam um do outro há algum tempo, e a noite progride como um primeiro encontro perfeito. O jantar leva ao karaokê, onde o casal canta um dueto. Eles dançam lentamente e finalmente se beijam. No apartamento de Lydia, ele revela que sua esposa faleceu há três anos. Eles se sentam no sofá e se beijam, apaixonados - dá para perceber, como Lydia quer aquilo. Ele a empurra para trás, um pouco assustado com a rapidez com que as coisas estão acontecendo. E ela é humilhada - sem dúvida, uma mistura complexa de emoções relacionadas à sua religião, sua solidão, sua vergonha e seus sentimentos por ele. Ele diz que ainda quer vê-la novamente, ela rejeita a ideia disso.

Endurecida por sua experiência com o diretor, e já escorregando para o etos de Gilead - Lydia faz pequenos comentários que indicam sua fidelidade para com a teocracia - Lydia dá o passo radical de separar o menino e a mãe que ela estava tão próxima. Agora é lei, ela explica, alertar as autoridades para o aparecimento de "fraqueza moral", que ela julga que a mãe tem, com base em seus parceiros sexuais, situação financeira e cuidado de seu filho. O diretor fica nervoso com a mudança de Lydia, mas o assistente social concorda entusiasticamente, revelando que o menino já foi colocado em um orfanato. Lydia lembra o número de pessoas com tanto "amor" para dar - novamente prenunciando quem ela se tornará. A mãe aparece gritando com tia Lydia, xingando e soluçando. Lydia olha friamente.

Então, o que está acontecendo com June? Ela certamente está perdendo o controle da bondade e está bem ciente disso. "Todos eles merecem sofrer", ela narra. "É um gosto que a gente adquire, gostar de ver os outros sofrendo." Por mais horrível que fosse a situação de Ofmatthew, Lydia a humilhou, June gostou de ver isso. Ela sentiu "alívio" quando o bebê de Ofandy morreu no parto, enquanto o resto das aias choraram. Ela xinga o comandante Lawrence por seu tratamento com sua esposa.

Mas nada se compara ao visual final do episódio na Pães e Peixes. Este episódio também nos deu um raro vislumbre dos negócios de Lydia com as outras tias; enquanto se encontrava com elas, ela decidiu que a disfunção da casa de Lawrence não era boa para June e que deveriam a transferir. Ela diz isso a June, enquanto Ofmatthew está nas costas, totalmente devastada de eventos anteriores. June ouve Lydia enquanto sorri cruelmente para Ofmatthew, que está sendo consolada por Janine. Quando Ofmatthew pega outro sorriso desagradável direcionado a sua tristeza, ela perde a consciência (ou a ganha) - esmagando a cabeça de Janine com uma lata, batendo em um guarda, e depois pegando sua arma.

A cinematografia do final do episódio captura o caos e a imprevisibilidade do momento: então Ofmatthew muda o foco, apontando a arma para o outro lado. Ela se estabelece June como um alvo, que meramente confiantemente concorda. Ela move a arma para atingir Lydia. Mas assim que está prestes a puxar o gatilho, é abatida, instantaneamente neutralizada - sangue espalhado na cara de Lydia. E mesmo assim, até agora, June parece indiferente. É um momento angustiante e traumático. Ela simplesmente não parece se importar mais.

Siga-nos: @handmaidsbrasil no Twitter | @handmaidsbrasil no Facebook

Nenhum comentário:

Deixe sua opinião, sempre com respeito:

Tecnologia do Blogger.