Record News passa por reforma completa e muda até de nome

Segundo informações das jornalistas Cristina Padiglione e Patrícia Kogut, um novo projeto para o canal de notícias foi apresentado ao departamento comercial nesta semana.
Slogan de lançamento da Record News em 2007, descontinuado após crises e reformulações no canal do Grupo Record. (Foto: arquivo/ TV Record)
Tube News, via RD1d1
27/06/2019  12h32m
A reformulação no jornalismo da Record – que causou a contratação de Sérgio Aguiar e o afastamento de Janine Borba e Paulo Henrique Amorim do “Domingo Espetacular” – vai se estender à Record News. Segundo informações das jornalistas Cristina Padiglione e Patrícia Kogut, um novo projeto para o canal de notícias foi apresentado ao departamento comercial nesta semana. Há, inclusive, uma mudança de nome em curso.

A emissora passaria a atender por Record.News (Record ponto news), adotando o slogan “Onde você estiver”. A ideia é disseminar conteúdo do canal de notícias nas mais diversas plataformas, do celular à TV aberta. Internamente, as mudanças em estudo foram apelidadas de “MTV da notícia”, por conta da presença de Rogério Gallo, ex-MTV, no projeto.

Com o desejo de apostar em jovens apresentadores, adotando uma linguagem de fácil assimilação – como a Globo faz com o “G1 em 1 Minuto”. Ainda, o foco em imagens, análise de especialistas e conteúdo de site populares nas redes sociais, como BuzzFeed. O vice-presidente de jornalismo da Record, Antonio Guerreiro, já consentiu com a reformulação, prevista para o próximo semestre.

Esta não é a primeira reforma da Record News. Veja abaixo uma recapitulação do canal de notícias do Grupo Record.
Antonio Guerreiro e Rogério Gallo comandam reformulação da Record News (Imagem: Edu Moraes / Record)
Record News é um canal de televisão comercial aberto brasileiro, com a programação dedicada principalmente ao telejornalismo, pertencente ao Grupo Record. A data de estreia do canal aconteceu às 20h do dia 27 de setembro de 2007 e marcou as comemorações de 54 anos da RecordTV, que investiu US$ 7 milhões para equipar o canal, que teve inicialmente 150 jornalistas exclusivos e 100 profissionais de outras áreas, além de uma redação de 1.000 m², dividida em uma redação com sessenta posições e um estúdio para gravações.

Segundo dados do Ibope apurados pela própria Record News, o canal é o líder em audiência em seu segmento no país, ultrapassando assim as concorrentes GloboNews e BandNews TV. O Ibope desmentiu a liderança da Record News em nota à imprensa, já que os dados não passaram por uma validação do instituto.

A Record News foi apontada como o sétimo veículo de televisão aberta mais admirado do país no ano de 2014, segundo pesquisa feita pelo Índice de Prestígio de Marca do jornal Meio&Mensagem. A rede de notícias ficou na frente de canais como a RedeTV!, a TV Gazeta e a Mix TV.
O então presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o presidente do Grupo Record, Edir Macedo, durante a cerimônia de lançamento da Record News, realizada no dia 27 de setembro de 2007. (Foto: Arquivo/Record TV)
História

Os planos para o lançamento do canal já haviam sido traçados entre o final de 2006 e o início de 2007, pela alta cúpula da RecordTV, com o objetivo de fortalecer o telejornalismo, realizar novas experiências na área e buscar novos talentos para a "emissora-mãe". Devido a alta penetração da Rede Mulher em centenas de municípios brasileiros via UHF, foi definido que a tradicional emissora daria lugar a nova, assim que esta fosse lançada.

No início de fevereiro, executivos da Rede Record viajaram para Atlanta, nos Estados Unidos, para conhecer a estrutura da famosa rede de notícias CNN, que fica sediada na cidade, lembrando que a CNN transmite sua programação em escala global. Integraram a comitiva o vice-presidente Marcos Pereira, o diretor de operações e engenharia Reinaldo Gilli, o gerente de informática Anderson Moura, o diretor nacional de jornalismo Douglas Tavolaro, o chefe de redação Clóvis Rabelo e o diretor técnico e de projetos Luiz Seixas.

A RecordTV montou grandes estruturas em todo o país e adotou uma cartilha do telejornalismo regional, submetendo suas afiliadas a novas regras. O processo, atualmente, ainda se encontra em transição, pois algumas afiliadas relutam em aceitar as novas normas.

Em entrevista ao site Portal Imprensa, Alexandre Raposo, então presidente da RecordTV, declarou que o novo canal seria um meio de tirar maior proveito dos produtos jornalísticos da emissora, fortalecendo a marca "Record", tornando-a ainda mais conhecida e aumentando as suas possibilidades de crescimento e atingirá um público qualificado, resultando em um bom faturamento, já que a emissora principal tem 35% de sua receita gerada a partir do telejornalismo.

O primeiro movimento do novo canal foi a exibição de uma contagem regressiva para o início das transmissões com seu logotipo. Logo após, começou uma espécie de show de abertura, com a presença (então na época dos cargos em 2007) do então Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva; do Governador do Estado de São Paulo, José Serra; do prefeito da cidade de São Paulo Gilberto Kassab; do presidente da Record, Alexandre Raposo; Edir Macedo, proprietário, com protocolo executado por Celso Freitas e no fim, Fafá de Belém cantou o Hino Nacional Brasileiro.

A Record News ocupou o sinal da Rede Mulher, emissora pertencente à Record que foi extinta. Assim, o canal Record News já estreou com uma rede de 101 emissoras abertas afiliadas. No entanto, deixou a desejar em algumas cidades, pois, a qualidade do sinal de transmissão não era suficiente para atingir a todos os municípios em que a Record News afirmava a transmissão em TV aberta do primeiro canal aberto de Jornalismo.

Em fevereiro de 2012 a emissora estreou a nova logomarca, inspirada na logomarca da RecordTV, porém agora sem a palavra Recordpermanecendo apenas o termo News. A partir de março, a emissora passa também a reprisar o talk show Roberto Justus +, aos domingos.

Entre julho e agosto, foram transmitidos os Jogos Olímpicos de Verão de 2012, realizando a maior cobertura da história da TV aberta no Brasil, com mais de 350 horas ao vivo.

Em 15 de janeiro de 2013, segundo pesquisa divulgada pelo Ibope/MW9 e PayTV referente a 2012, a Record News teve 3 milhões de telespectadores a mais que a GloboNews e 16 milhões a mais que a BandNews.

Em julho de 2015 transmitiu em conjunto com a Rede Record, os Jogos Pan-Americanos de 2015, em Toronto no Canadá.

Em 2016, para comemorar aos nove anos da emissora, o canal assumiu um novo posicionamento para se aproximar do telespectador. Uma nova identidade visual e o slogan “Informação para você crescer” foi anunciado na noite do dia 10 de outubro em um programa intitulado RN Especial. Além do logotipo do canal, a modernização se estendeu aos cenários e pacotes gráficos dos principais telejornais da casa: Jornal da Record News, Link Record News e Hora News.

Em julho de 2017, após 10 anos saiu do ar o programa Economia e Negócios, comandado por Fatima Turci.
Gilberto Kassab, José Serra, Edir Macedo, Lula e Alexandre Raposo, na inauguração da Record News. (Foto: arquivo/Record TV)
Crise em 2012

No dia 5 de novembro de 2012, semanas depois de estrear novas atrações, o Grupo Record demite 70% de seus funcionários da Record News (cerca de 40 funcionários) e que entre eles estão 25 jornalistas.

Em nota, o Grupo Record informou que a emissora passaria por uma reformulação, concentrando apenas em telejornais. E passa a exibir apenas o Hora News, o Jornal da Record News e reprises de telejornais da RecordTV.

Em 2012 surgiram especulações sobre o fim da Record News e do Portal R7, a descontinuidade desses veículos de comunicação era motivado por questões econômicas.Atualmente a Record News é líder em seu segmento, enquanto o R7 em 2014 atingiu a marca de 50 milhões de visitantes únicos.


Controvérsias

Em 27 de setembro de 2007, justamente no dia da inauguração da Record News, segundo o blog Josias de Souza, o vice-presidente de relações institucionais do Grupo Globo(conhecido como Organizações Globo na época), Evandro Guimarães, esteve em Brasília. Ele queixou das autoridades do governo de que, ao levar ao ar o seu canal de notícias 24 horas, em rede aberta, o Grupo Record passaria a operar dois canais de televisão em uma mesma cidade, o que é proibido pela lei brasileira.

Guimarães se encontrou com o ministro das Comunicações, Hélio Costa, a quem cabe zelar pelo sistema de concessões televisivas. Informou-se ao ministro que, além da Globo, também a Rede Bandeirantes compartilhava da reclamação contra a Record. No entanto, o próprio ministro respondeu que está isento desse assunto e que é imparcial, pois não há irregularidade no caso. Aproveitando-se disto, a Rede Record veiculou nos dias 1º e 2 de outubro, um editorial de protesto contra Globo e Rede Bandeirantes, mas foi a Globo que foi duramente criticada.

Porém, a RecordTV e a Record News, noticiou que o Grupo Bandeirantes operava dois canais de São Paulo (a própria Bandeirantes e, na época a PlayTV), mas ignorou que por causa de razão social semelhante e que um grupo pode ter dois canais (um VHF e um UHF) é permitido por lei, desde que esse UHF tenha menor programação que o VHF (caso da RBS TV e da TVCOM), valendo-se que o inimigo é a Globo.

Nenhum comentário:

Deixe sua opinião, sempre com respeito:

Tecnologia do Blogger.