Youtubers alertam sobre o Artigo 13 aprovado na Europa

Criadores de conteúdo como Felipe Neto e Felipe Castanhari falaram sobre a polêmica lei que envolve direitos autorais. O fim do Youtube? O Fim da internet como conhecemos? Assista e leia sobre este tema.
Bandeira da UE com o continente europeu ao fundo. (Foto: montagem/Tube News)
Tube News, com informações do TecnoBlog
29/12/2018  09h48m
Para muita gente que vive na União Europeia, Artigo 13 é sinônimo de ameaça à internet. Soa como exagero, mas a expressão faz referência a uma controversa proposta de lei de direitos autorais que poderá resultar em severas restrições para o compartilhamento de imagens, vídeos e outros conteúdos criados por usuários de redes sociais e outras plataformas.

Não é só isso: outra proposta, o Artigo 11, poderá fazer com que links para sites de notícias sejam taxados em serviços que distribuem conteúdo, como o Google News.


O que é o Artigo 13?

O Artigo 13 faz parte de um plano de reforma sobre direitos autorais que, se entrar em vigor, terá validade nos países que compõem a União Europeia. O projeto foi apresentado em 2016 e, apesar de uma intensa campanha contrária, recebeu aprovação pela Comissão de Assuntos Jurídicos do Parlamento Europeu nesta quarta-feira (20).

Basicamente, o Artigo 13 determina que plataformas online, independente de tamanho ou do tipo de serviço oferecido, filtrem uploads de conteúdo para combater a violação de copyright por parte dos usuários.

Os defensores da lei afirmam que a iniciativa tornará o mercado mais justo e sustentável para criadores de conteúdo, imprensa e afins. Já os que se opõem à ideia temem por um cenário restritivo o suficiente para dificultar a liberdade de expressão e até a viabilidade de determinados negócios baseados na internet.

Até os memes entraram na jogada. Poderão deixar de existir porque não existiria plataforma que os publicasse ( Facebook, Twitter, etc). Memes são baseados em pequenos trechos de filmes, eventos esportivos ou programas de TV, por exemplo. Isso significa que boa parte dos memes vem de materiais protegidos por copyright.

A expectativa é a de que haja uma mobilização tão forte na internet quanto as que derrubaram os projetos de lei SOPA e PIPA em 2012.

Veja os vídeos publicados por youtubers brasileiros e internacionais que falam abertamente sobre o tema.






Nenhum comentário

Deixe sua opinião, sempre com respeito: