Moradores fazem ato em apoio a criança agredida por casal

Participantes levaram cartazes e balões para quadra onde ocorreu episódio de violência contra menino. Condomínio quer impedir acesso dos agressores ao local.
Moradores do DF fazem ato em apoio à criança de 6 anos agredida por casal — Foto: Flávia Marsola/TV Globo
Tube News, via G1
16/12/2018 21h42m
Moradores da Octogonal, em Brasília, se reuniram na tarde deste domingo (16) para pedir paz e mostrar apoio à família de um menino de 6 anos que foi agredido por um casal em um condomínio da região na semana passada. Câmeras de segurança flagraram quando Danielle Cavalcanti e Alexandre Campos de Jesus seguraram o garoto e o empurraram (entenda o caso abaixo).

A mobilização foi na quadra poliesportiva onde ocorreu o episódio de violência contra a criança. Durante o ato, os participantes fixaram cartazes na grade do local com frases de apoio ao garoto, como “aqui os grandes protegem os pequenos” e “faça o bem”.

Eles ainda soltaram balões brancos no céu e, para encerrar a manifestação, deram as mãos e realizaram um grande abraço em torno do menino vítima das agressões.

A tia da criança, Jucinea das Mercês Nascimento, responsável por denunciar o caso, afirmou à reportagem que sentiu gratidão ao ver o ato deste domingo.

“Me sinto muito aliviada e até grata aos moradores por isso, porque a gente quer resgatar essa área de lazer que sempre foi tranquila.”

Segundo ela, desde o episódio, o sobrinho não brincou mais na quadra:

“O mais importante é ver o meu sobrinho acolhido, porque, depois do ocorrido, ele não não saiu de casa. A vítima não escolhe, o agressor escolhe tomar ou não a decisão, ele tem livre arbítrio, mas a vítima não tem. Então, assim, é muito importante para gente esse momento.”

Lenise da Silva mora no condomínio e contou que ficou "chocada" com o ocorrido. "Foi uma coisa que chocou muita gente. Vivo aqui desde 1988. É a primeira vez que vejo um negócio desse. Foi, realmente, muito chato."

A servidora pública Tatiana Lazar disse que a mobilização foi idealizada também para acalmar as crianças do condomínio:

"A gente quer mostrar que elas não precisam ter medo de descer e brincar, que a gente busca sempre o entendimento."
Moradores levaram balões para quadra do DF onde ocorreu episódio de violência contra garoto de 6 anos — Foto: Flávia Marsola/TV Globo


Decisões do condomínioNa última sexta-feira (14), moradores do condomínio se reuniram com um advogado e decidiram levar o caso para uma votação em assembleia. Muitos pedem que o casal não possa mais acessar o local.

O encontro deverá ocorrer na próxima quarta-feira (19). Além disso, será discutido se o condomínio entrará com uma ação de reparação de danos contra Danielle e Alexandre. A indenização seria usada para criar colônias de férias e dar apoio psicológico às crianças que “estão assustadas”.

A agressãoImagens do circuito interno mostraram que, no último domingo (9), o filho de Danielle Cavalcanti e Alexandre Campos de Jesus tropeçou sozinho na bola, caiu e bateu a boca no chão. Ele levantou e deixou o local. Minutos depois, voltou à quadra carregado pelo pai (confira acima).

As gravações revelaram que Alexandre segurou um outro menino pelos braços e mandou o filho dar um tapa no rosto da criança. Pouco depois, Danielle apareceu e empurrou o garoto.

Em nota, o advogado do casal, Rafael Pitzer, afirmou que os dois estão “extremamente arrependidos da fatalidade”. Segundo o comunicado, Danielle e Alexandre “foram tomados por violenta emoção” após presenciarem o filho com o “rosto deformado, boca e lábios sangrando muito”.

De acordo com a nota, o casal foi informado por testemunhas de que os machucados do filho foram causados por uma outra criança. O advogado escreveu que o menino não conseguia falar devido aos ferimentos. Por esse motivo, eles teriam sido tomados “por violenta emoção”.

A defesa citou ainda que Alexandre e Danielle estão cooperando para um desfecho célere e justo do caso. "Nesse sentido, se houver o indiciamento, farão as defesas pertinentes perante o Poder Judiciário, tendo (o casal) o direito ao devido processo legal".
Participantes do ato fixaram cartazes na grade do local com frases de apoio ao menino, como 'aqui os grandes protegem os pequenos' e 'faça o bem' — Foto: Flávia Marsola/TV Globo


Lesão corporalA Polícia Civil do Distrito Federal informou que, inicialmente, Alexandre Campos de Jesus e Danielle Cavalcanti vão responder por "lesão corporal", com pena prevista de três meses a um ano de prisão.

"Há ainda a possibilidade de eles responderem pelo crime de ameaça e por terem submetido o próprio filho a um constrangimento, crime este previsto no Estatuto da Criança e do Adolescente", apontou a corporação.

De acordo com a delegada responsável pelo caso, Patricia Bozolan, o casal será chamado para prestar depoimento na próxima semana. Na sexta, a polícia começou a ouvir as primeiras testemunhas.

A Polícia Civil ainda aguarda o resultado do exame de corpo de delito realizado pela criança que sofreu as agressões.

Postar um comentário

0 Comentários