Especiais de Fim de Ano deixam a desejar em 2018 - Tube News

@otubenews

31 dezembro 2018

Especiais de Fim de Ano deixam a desejar em 2018

Já é possível fazer um balanço do que foi oferecido aos telespectadores em matéria de programação especial de fim de ano na TV.
Cena do filme Esqueceram de Mim, clássico dos anos 90 e fim de ano. (Foto: reprodução/Giphy)
Tube News, via Observatório da Televisão (UOL)
31/12/2018  09h03
Diante de anos anteriores, não foi muita coisa. Parece que cada vez mais as emissoras se lembram apenas da queda sensível de audiência no período de festas. E por isso não se esmeram mais como antigamente nas atrações de dezembro. Especialmente as programadas do dia 15 em diante. Seja na Record TV, na Rede TV!, na Band ou no SBT, a rigor os especiais de fim de ano não foram tão especiais assim.

Nem a TV Globo escapa dessa crítica. Afora os finais de temporada das atrações regulares e alguns filmes exibidos em regime excepcional, com tapa-buraco da linha de shows ou do horário de jogos de futebol, com os torneios já encerrados e de vencedores conhecidos, pouco se viu de realmente especial, no sentido primário do termo. Nem se compara aos anos 1990, por exemplo, quando a programação de fim de ano ia muito além do musical de Roberto Carlos e da retrospectiva do jornalismo.

Quem foi criança na década de 1990 seguramente se lembrará dos diversos especiais pensados para o público infantojuvenil nos fins de ano. Renato Aragão, Xuxa, Angélica e até a turma da TV Colosso tiveram programas exibidos na faixa nobre, depois da novela das 20h. Era dramaturgia, por vezes mesclada com música.


Lembranças de um tempo em que o fim de ano na TV trazia novidades do ano seguinte

Para o público adulto, eram reservados pilotos de programas. Caso tivessem boa aceitação, eles poderiam eventualmente ganhar uma vaga na grade fixa da emissora no ano seguinte. Foi o caso, por exemplo, de Brava Gente, em 2000. A série de adaptações de clássicos literários teve início no final daquele ano, com oito episódios exibidos em quatro dias. Entre eles, Enquanto a Noite Não Chega, da obra de Josué Guimarães, com Mário Lago e Eloísa Mafalda. Outro foi Um Edifício Chamado 200, adaptado do texto teatral de Paulo Pontes. No elenco, Luiz Fernando Guimarães, Cláudia Raia e Bianca Byington.

A série Delegacia de Mulheres (1990) surgiu de um especial unitário, intitulado Em Defesa da Honra (1989). Retrato de Mulher (1993), com Regina Duarte, também surgiu de um unitário, Era Uma Vez… Leila(1992).

Em termos de musicais, tivemos basicamente apenas mais uma edição do sertanejo Festeja Brasil, além do Roberto Carlos Especial que desde 1974 marca presença. Nos anos 1980 e 1990, diversos musicais foram exibidos no fim de ano. Entre estes, programas estrelados por Moraes Moreira, Fagner, Fábio Jr. Ainda, Rita Lee, Gal Costa, Gilberto Gil e Elba Ramalho, para ficar apenas nesses nomes.

Esta breve rememoração de atrações que já foram exibidas pela TV Globo, para nos concentrarmos apenas nela, em dezembros anteriores, é mostra mais do que clara do quão diferente tem sido a mentalidade das emissoras nos últimos tempos.

Evidente que uma das eventuais causas disso pode ser a retração econômica vivida pelo País nos últimos anos. Sai muito mais barato – embora ainda seja caro, ironicamente – produzir um programa com edições semanais, ou mesmo mensais, do que um que será exibido uma única vez, quem sabe duas.

No entanto, e justamente por ser uma época na qual as chances dos telespectadores deixarem a TV de lado, não seria o caso de deixar de lado a acomodação e tentar chamar a atenção desse telespectador?

Muitos Natais foram passados ao som de Roberto Carlos enquanto se esperava pela Missa do Galo. Bem como houve Réveillons nos quais se fez a contagem regressiva da virada junto com Faustão. Sem falar na tradicional queima de fogos na Praia de Copacabana, assistida pela TV.

Não é apenas o final de ano, nem o calor do verão, que afugenta o público. Antes, é o desinteresse pela programação ante o aparente descaso para com ele.
Postar um comentário