Questão de matemática do Enem 2018 será anulada, diz MEC - Tube News

@otubenews

13 novembro 2018

Questão de matemática do Enem 2018 será anulada, diz MEC

Anúncio foi feito na noite desta segunda-feira (12) depois de professores do Curso Anglo identificarem que questão sobre a redução de pena já havia caído no vestibular 2014 da UFPR.

Tube News, via G1
13/11/2018  08h12m
O Ministério da Educação anunciou, na noite desta segunda-feira (12), que vai anular a questão de matemática do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2018 que já havia aparecido no vestibular da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Segundo o ministério, a repetição da questão será investigada e pode "culminar em instauração de processos administrativo, cível e/ou criminal".

A questão não era inédita – um requisito para que ela seja usada na prova do Enem – após professores do Curso Anglo identificarem que ela já havia sido usada no vestibular 2014 da UFPR.

o MEC diz que uma sindicância foi aberta para apurar as responsabilidades. "A questão foi elaborada em 2012 para o Inep, por um professor que, à época, estava vinculado à UFPR. No entanto, posteriormente, em 2013, foi utilizada no vestibular da própria universidade, para ingresso em 2014, o que não deveria ter ocorrido", afirmou o ministério.

A pasta informou ainda que duas regras foram quebradas. Além do ineditismo, as questões elaboradas pelos professores contratados pelo Inep precisam ser mantidas em sigilo.
Compare as questões do Enem 2018 e da UFPR 2014; repetição foi apontada por professores do Curso Anglo — Foto: Alexandre Mauro/G1


Entenda o caso
A prova de matemática do Enem 2018 foi aplicada no domingo (11), com 45 questões de múltipla escolha, junto com a prova de ciências da natureza. Na tarde desta segunda-feira (12), durante uma reunião para avaliar o Enem e discutir as tendências da prova, professores do Curso Anglo identificaram que uma das questões tinha enunciado quase idêntico e alternativas iguais às de outra questão que já foi usada antes.

A questão havia aparecido no vestibular 2014 da UFPR, que foi aplicado no ano de 2013.

Segundo a UFPR, a questão da prova da primeira fase foi aplicada para todos os candidatos. Naquela edição, 53.603 pessoas estavam inscritas no vestibular. Ainda segundo a federal, o processo seletivo da UFPR é elaborado por um núcleo de concursos próprio, que elabora todas as questões das provas.

Leia a íntegra da nota do MEC:
"Após constatar que uma questão da prova de Matemática e suas Tecnologias do Enem 2018 havia sido aplicada em vestibular da Universidade Federal do Paraná (UFPR), o Ministério da Educação (MEC) instaurou sindicância para apurar responsabilidades. O item da prova foi formulado por um professor que compõe o Banco de Elaboradores de Itens do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) e, em decorrência do descumprimento dos requisitos de ineditismo e sigilo, a questão está anulada.

Segue a lista com o número da questão anulada em cada caderno de prova do Enem 2018:

Caderno Amarelo – 150;
Caderno Cinza – 170;
Caderno Azul – 163;
Caderno Rosa – 180;
Caderno Laranja – 150;
Caderno Verde – 150.

A questão foi elaborada em 2012 para o Inep, por um professor que, à época, estava vinculado à UFPR. No entanto, posteriormente, em 2013, foi utilizada no vestibular da própria Universidade, para ingresso em 2014, o que não deveria ter ocorrido.

O Ministro da Educação, Rossieli Soares, contatou o Reitor da UFPR, Ricardo Fonseca, que colocou a Instituição à disposição para colaborar com a apuração. A Universidade havia celebrado um Acordo de Cooperação Técnica com o Inep para integrar o processo de elaboração e revisão de itens do Banco Nacional de Itens (BNI).

A Comissão de Sindicância do MEC irá apurar o ocorrido, que pode culminar em instauração de processos administrativo, cível e/ou criminal. O Inep investe todos os anos em mecanismos de detecção de conteúdos plagiados e, com o ocorrido, irá reforçar procedimentos que garantam os requisitos de ineditismo e originalidade dos itens que compõem o BNI."
Postar um comentário