BitLife, app que simula a vida real e é sucesso nos EUA - Tube News

@otubenews

25 novembro 2018

BitLife, app que simula a vida real e é sucesso nos EUA

Aplicativo ficou por nove dias consecutivos como o mais baixado na App Store, segundo consultoria americana.
Conheça o BitLife, app que é sucesso nos EUA — Foto: Anna Kellen Bull/TechTudo
Tube News, via TechTudo
2/11/2018  17h45m
Você já ouviu falar no BitLife? O app é um simulador da vida real, que permite ao jogador tomar decisões que determinam sua trajetória pessoal. Sensação do momento nos Estados Unidos, o aplicativo para iPhone (iOS) apareceu pela primeira vez no ranking dos mais baixados na App Store em 7 de novembro, segundo a empresa de análise do mercado mobile App Annie. Já no dia 10 o BitLife passou a figurar no top 10 e, por nove dias consecutivos, alcançou o topo da lista, superando gigantes como YouTube, Facebook, Netflix e Spotify.

Um sucesso tão repentino leva à pergunta inevitável: o que o BitLife tem de tão legal? Conheça a plataforma e saiba como brincar fazendo escolhas sobre a vida.

O aplicativo consiste basicamente em uma linha do tempo com a idade do jogador. Em cada faixa etária acontecem eventos sobre os quais o usuário deve decidir o que fazer, considerando as opções oferecidas pelo BitLife. Por exemplo: quando você está na idade de entrar para universidade, ele pode mostrar quanto custa e oferecer as alternativas de pedir para que os pais paguem ou solicitar empréstimo estudantil.

Toda escolha tem consequências e interfere nos eventos futuros. O final do jogo, como não poderia deixar de ser, é a morte. A lápide resume como você morreu e como viveu a vida.

Desenvolvido pela Candywriter, o BitLife é gratuito, embora tenha compras dentro do app. O game roda em celulares com iOS 8 ou superior e pode ser baixado em iPhones brasileiros, mas possui interface em inglês, o que demanda conhecimento no idioma para usar o aplicativo.


Com interface em inglês, BitLife mostra problemas cotidianos para usuário escolher como resolvê-los — Foto: Reprodução/Anna Kellen Bull
Postar um comentário