Netflix | 'Para Todos os Garotos que Já Amei' - Tube News

@otubenews

20 agosto 2018

Netflix | 'Para Todos os Garotos que Já Amei'

Dos livros para o stream, um filme morno, mas comparando aos últimos títulos desastrosos postados, é uma boa pedida para passar o tempo na Netflix.
Cena do filme Para Todos os Garotos que já Amei. (Foto: divulgação/Netflix)
Tube News, via Pipocando na Madrugada
Cinco cartas. Cinco amores. Um mistério: quem espalhou o segredo de Lara Jean? Antes de mergulhar nesta doce investigação, quero dizer que Para Todos Os Garotos Que Já Amei (To All The Boys I’ve Loved Before) é mais um acerto da Netflix (temos também A Barraca do Beijo e O Plano Imperfeito) e, mais do que isso, é mais um acerto no quesito adaptação literária. A diretora Susan Johnson traz uma história leve, doce, divertida e de puro amor. Sim, a obra de Jenny Han é, acima de tudo, romântica e Susan consegue transmitir esse sentimento mais fofo em forma de filme. Estou muito feliz em dizer que estou plenamente satisfeita em ver uma das minhas histórias favoritas ganhar uma adaptação tão honesta.

Tudo isso é graças não só a direção, mas também ao elenco teen que eleva o nível de interpretação, entregando uma atuação descontraída e natural, como se tudo aquilo realmente tivesse acontecendo com eles. Na trama, conhecemos nossa protagonista Lara Jean (Lana Condor), uma jovem do ensino médio que – bagunceira e sempre com o quarto em desordem – é uma adolescente apaixonada que, assim como muitas, sonha em viver uma paixão forte e verdadeira como ela lê nos livros e vê nos filmes.
Noah Centineo. (Foto: reprodução/Netflix)

Até hoje, ela viveu cinco grandes amores que, entre eles, dois se destacam: Josh, seu vizinho e melhor amigo, mas também namorado de sua irmã mais velha Margot; e Peter Kavinsky, o playboy, atleta e popular da escola, o primeiro garoto que ela beijou. Lara Jean é uma garota que sonha em viver um grande amor, porém ela guarda tudo isso dentro de si, tornando uma pessoa introvertida e as cenas que se passam na escola deixam bem claro. Quando Margot se muda para outro país para fazer faculdade e suas cartas são enviadas misteriosamente, Lara Jean se vê em apuros ao ter que lidar, real e oficial, com esses sentimentos que ela guardou por tanto tempo. Como dizer ao seu melhor amigo e namorado de sua irmã que é (ou já foi) apaixonada por ele? Como explicar aos outros pretendentes que aquelas cartas são verdadeiras, mas que aquele sentimento já é algo do passado?
Israel Broussard. (Foto: reprodução/Instagram)
É aí que a reviravolta de Para Todos Os Garotos Que Já Amei começa, repleto de cenas românticas clichês, mas que não incomodam absolutamente em nada, divertem e ainda deixam os nossos corações ‘quentinhos’. Para mostrar que não está nem aí para Josh e nem que Margot descubra a verdade, Lara Jean inicia um ‘namoro fake’ com Peter e a graça toda está aí, pois os dois são completamente opostos, mas combinam perfeitamente. Claro que a aproximação e a mentirinha os unem e faz com que um novo sentimento nasça entre eles. Em determinado momento, é possível acreditar que o filme vá para um caminho que mostre Peter metido e como o manda-chuva da relação, mas nada disso acontece; o filme quebra esses paradigmas e entrega um personagem popular doce com sua suposta namorada, revelando um sentimento de amizade e amor natural e simples, como deveria ser com todo mundo. Noah Centíneo entrega uma interpretação boa, cuja química com Lana Condor é plena e singela, fazendo o espectador torcer por eles o tempo todo.
Lana Condor. (Foto: divulgação)
Outro ponto interessante do filme é a movimentação de câmera, que não hesita em estar sempre focado nos rostos dos personagens como se quisesse que o público soubesse o que realmente passa na cabeça e no coração de cada um, isso sem falar nas cenas panorâmicas, revelando cenários bonitos, seja na escola, no campo de futebol, na casa da protagonista ou na rua. Outro ponto positivo para mim é que eu tive a chance de assistir ao filme no cinema (obrigada Netflix e Intrínseca) o que tornou a experiência ainda melhor. Claro que muitos verão pelo celular, pela televisão ou computador, mas peço que escolham a melhor opção para assistir, para que vocês sintam a mesma sensação que eu, de estar dentro do filme e acompanhar a história de pertinho.

Leia a crítica completa aqui, onde Camila Savioli compara o livro com o filme, além de analisar os personagens e considerações finais de quem entende do assunto.


Tube News, via Pipocando na Madrugada
Postar um comentário