7 PROVAS DE QUE 'A HISTÓRIA SEM FIM' É UM TERROR PSICOLÓGICO CABULOSO - Tube News

@otubenews

06 maio 2017

7 PROVAS DE QUE 'A HISTÓRIA SEM FIM' É UM TERROR PSICOLÓGICO CABULOSO




1. O pai de Bastian minimiza a morte de sua mãe

Na primeira cena em que vemos Bastian, ele está bastante borocoxô por conta do falecimento de sua mãe. A saudade dela tem levado o garoto a desenhar unicórnios na escola, que chamou seu pai para ter uma conversinha. E o que o pai dele aconselha? O cara simplesmente fala que Bastian já é velho o suficiente para não ficar mais com a cabeça nas nuvens, que ele deve colocar os pés no chão e SE ESQUECER da mãe!

2. O bullying que Bastian sofre é insano
Hoje em dia, o bullying é um assunto bastante discutido, mas na época do filme pouco se falava – talvez por isso os valentões que atazanam Bastiam não possuíssem nenhum limite. Não contentes em zoá-lo, os rapazes roubam o dinheiro do garoto e depois o jogam em uma caçamba de lixo. Para piorar, eles ainda ficam ESPERANDO Bastian sair dos entulhos para continuar as provocações.


3. Artax: o trauma de toda uma geração
Quando Bastian começa a ler o livro da “História Sem Fim”, finalmente entramos no mundo de Fantasia, que corre perigo de sumir por conta do Nada. Atreyu é o herói escolhido para tentar conter o mal, mas ele enfrenta um trauma que pulou para fora da tela de forma surpreendente: a morte do cavalo Artax no Pântano da Tristeza.


Fala a verdade, você já superou essa cena? Caso tenha conseguido, por favor me explique! Não apenas Artax morreu, como isso só aconteceu porque ele estava TRISTE e afundou lentamente no pântano! Existe morte mais dolorosa?

4. O Comedor de Pedras e seu discurso conformado com a morte
Atreyu encontra inúmeros amigos em sua jornada por Fantasia. Um deles é o Comedor de Pedra, que, apesar de ter um coração de ouro – se é que gigantes de pedra têm coração –, está conformado com a morte! Nos tempos áureos, ele comenta que sua única preocupação era escolher as rochas mais gostosas para comer.

Agora tudo mudou: o Comedor de Pedra assume que sua única função na vida, neste momento, é ficar sentado esperando o Nada chegar. Parece deprimente? E é! Cadê o discurso motivacional? Cadê a ideia de superação dos problemas? Estamos falando de um suposto filme infantil, galera, e o cara só pensa em MORRER?

5. O principal vilão é algo que “não” existe
Na maioria dos filmes de fantasia, estamos acostumados a ver o mal através de uma personificação: seja um monstro ou uma bruxa e por aí vai. Agora, em “A História Sem Fim”, a grande preocupação é com o Nada. E como explicar isso? Trata-se de um “vilão” existencialista, já que todo o universo de Fantasia está sumindo justamente porque as pessoas não estão mais consumindo fantasias!

No livro, esse medo da não existência é muito mais fácil de ser descrito do que nas telonas, mas, ainda assim, o vilão é aterrorizante. Para piorar e deixar as coisas ainda mais tensas, o longa-metragem tenta dar uma imagem ao Nada, colocando-o na figura de um lobo. Não funciona muito bem, já que o medo principal é de que tudo simplesmente desapareça.

6. Metalinguagem
No final do filme, Atreyu descobre que sua vida não passa de um livro que Bastian está lendo – e que, no fundo, também faz parte de um filme a que estamos assistindo. A história de Atreyu é bastante determinada pelas ações de seu leitor, que precisa dar um novo nome para a Imperatriz Menina e salvar Fantasia da total devastação. Logo, tudo que aconteceu na vida do herói pode ter surgido da mente perturbada de Bastian, que ainda não superou a perda da mãe.

Aos poucos, nos tocamos de que também fazemos parte dessa história sem fim, já que o principal motivo para Fantasia estar sumindo é o fato de que não estamos mais vivendo nesse universo. Você consegue compreender o terror de uma criança ao saber que as ações dela são responsáveis pelo fato de o mundo imaginário coletivo deixar de existir?

7. Desejo de vingança

Quando termina de ler “A História Sem Fim”, Bastian recebe o poder de ter desejos infinitos. Claro que, se você leu o tópico acima, deve saber que esses desejos seriam tratados mais no mundo de Fantasia, já que é esse universo que precisa ser salvo. Bastian poderia pedir várias coisas: a mãe de volta, um pai mais compreensível, a paz mundial...

Mas, não! Bastian pede que Falkor, o dragão, venha para o mundo real para que ele possa SE VINGAR dos garotos que praticavam bullying com ele. Que lição de moral deturpada, não é mesmo? E a cena toda é mostrada com a música-tema rolando, e vários sorrisos no rosto dos protagonistas. Que final psicótico!



Postar um comentário